Dissertação de Mestrado, UnB, 2010

"Seu Zé, qual é a sua didática?": a aprendizagem musical na Oficina de Pífano da Universidade de Brasília

O presente estudo versa sobre a aprendizagem musical na Oficina de Pífano da Universidade de Brasília, um projeto que vem ocorrendo na instituição desde 2007 tendo à frente Zé do Pife, como mestre e professor. Quais as práticas e formas de aprendizagem que ocorrem nesse contexto e como ocorrem são as questões que norteiam este trabalho. Para tanto, foram estudadas literaturas no campo da Educação Musical e Etnomusicologia sobre aprendizagem em música, em especial as que tratam da música popular e das músicas de tradição oral. Tais investigações questionavam e refletiam sobre como vem ocorrendo (e se ocorre) a inserção dessas músicas e seus modos de aprender e ensinar nos chamados espaços formais de ensino e aprendizagem. Como fundamentação teórica, destacam-se os estudos de Green (2002 e 2008), Sandroni (2000 e 2008). A pesquisa se configurou como um Estudo de Caso Etnográfico (ANDRÉ, 2000; FERREIRA, 2003; SARMENTO, 2010), utilizando estratégias como observação participante, diário de campo e entrevistas semiestruturadas. Buscou-se trazer o olhar do aluno sobre a Oficina de Pífano e sua própria aprendizagem. Pôde-se perceber que as práticas e formas de aprendizagem que lá ocorrem são diversas e complementares, entre elas a experimentação, a observação, a imitação, a elaboração de notação, a aprendizagem em grupo e outras. Embora os alunos utilizassem, por iniciativa própria, os recursos da notação e de filmagens, a prática do ‘tirar de ouvido’ e a aprendizagem via relação mestre-aprendiz se mostraram aspectos preponderantes, o que delineou uma atenção especial para a pessoa de Zé do Pife. O pernambucano, que mora em Brasília desde 1992, é reconhecido como mestre (tendo ganho, em 2008, o prêmio Culturas Populares do Ministério da Cultura), conhecedor da “arte de tocar e fabricar o pífano”, como consta dos panfletos que divulgam o projeto. Para os alunos, acompanhar ‘Seu Zé’ no pífano foi apontado como fator que poderia dificultar a aprendizagem e ao mesmo tempo, fator motivador. Na relação mestre-aprendiz, o vínculo entre Zé do Pife e os alunos é outro aspecto relevante no processo de aprendizagem, que incluiu ouvir suas histórias, cordéis, anedotas, compreender sua vivência, seu próprio tempo e forma de ensinar.

The present study discourses the musical learning in the project ‘Oficina de Pífano’ at Brasilia´s University. This project has occurred at the university since 2007, having Zé do Pife as master and professor. Which practices and forms of learning occur in this context, and how they happen are the questions that guide this work. Literature about Music Education and Ethnomusicology dealing with musical learning had been reviewed, especially those that dealt with the popular music and the oral tradition music. Such investigations questioned and pondered the inclusion of these musics and their ways of learning and teaching in the socalled formal spaces of education. As theoretical base, the studies of Green (2002 and 2008), Sandroni (2000 and 2008) are distinguished. This research was organized as an Ethnographic Case Study (ANDRÉ, 2000; FERREIRA, 2003; SARMENTO, 2010), using strategies such as participant observation, field note, and semi-structured interviews. This investigation tried to bring the student's point of view of the ‘Oficina de Pífano’ and the perception of their own learning. The learning practices that occur in the project could be understood as diverse and complementary, among them the experimentation, observation, imitation, development of notation, group learning, and others. Although, by their own initiative, students used the strategy of notation and record by filming the workshop, the practice of “coping music by ear” and learning through master-apprentice relationship has proved to be very relevant, with special attention to Zé do Pife. He was born in Pernambuco and has living in Brasilia since 1992. He is recognized as master (winning of the Culturas Populares award from Ministry of Culture, 2008), expert on the “art of playing and manufacture the pífano”, as seen in pamphlets that publicize the project. For students, following Zé do Pife, in pífano was appointed as a factor that could hinder learning and at the same time a motivating factor. The relationship between the master and his students is another important aspect in the learning process, which includes listening to his stories, anecdotes, understand his experiences, his own timing and way of teaching.

CategoriaUnB
Ano
Por
IdiomaPortuguês
Link
TipoDissertação de Mestrado
CódigoUNB2010D4
Notificar ao Amplificar um problema sobre este texto (UNB2010D4)