Dissertação de Mestrado, UFPR, 2012

A análise Schenkeriana e a ornamentação: um estudo crítico

Por: Renato Luciano de Vasconcelos
Palavras-chave: Heinrich Schenker, Ornamentação, Análise musical

A análise schenkeriana é uma teoria controversa, causadora de diversos debates no decorrer do século XX devido ao seu vigor, precisão crítica e repercussão nas universidades americanas. Heinrich Schenker (1868-1935), teórico musical e crítico radicado em Viena, adotou a tradição clássica austro-germânica como modelo musical e ideológico. Para isso, fundamentou sua teoria analítica em tratados teóricos e práticos do século XVIII e nas obras do cânone clássico tonal. No entanto, temas abertamente relacionados ao emprego prático dos ornamentos em sua teoria - bem como o contexto e analogia com as "diminuições" com os tratados de ornamentação - ainda não foram enfocados com precisão pela musicologia. Neste trabalho, esclarecemos a influência dos ornamentos práticos neste pensamento analítico traçando um paralelo entre os seus significados práticos e estruturais. Para tal finalidade, percorremos os textos de Schenker (com ênfase especial em Der Freie Satz [1935]); os textos dos seguidores americanos Adele T. Katz (1887-1979), Allen Forte (1926), Felix Salzer (1904-1986) e Oswald Jonas (1897-1978); e o tratado de ornamentação Versuch über die wahre Art, das Clavier zu Spielen (1753) de C.P.E. Bach (1714-1788), no qual Schenker embasou sua obra. Contudo, o propósito maior deste trabalho, que visa refletir, revisar e expor novas possibilidades para uma adequada compreensão musical, não foi exatamente dirigido em defesa da "ideologia schenkeriana", ou qualquer outra que seja. Assim, nossa abordagem será útil não somente aos analistas, mas também aos intérpretes e aos compositores - principalmente, os últimos de linhagem pós-moderna que utilizam ferramentas analíticas como um recurso composicional.

Schenkerian analysis is considered one of the most polemical and significant theories of the twentieth century. Heinrich Schenker (1868-1935), music theorist and critic in Vienna, assumed the Austro-German classical tradition as a musical and ideological model. For such aim, the theorist structured an analytical theory based on eighteenth century‟s treatises and tonal masterpieces. In this fashion, topics related to the use of ornamentation in his theory, as well as the circumstances dealing with the "diminutions" and the analogy the old treatises has not exactly been addressed. Thus, the aim of this research will be extend and discuss the link through Schenkerian analysis to ornamentation, both in practice and in theory. We intend to achieve a critical thought that deals with a new approach of Schenkerian analytical thinking equally as their probably practical-interpretive usage. Nevertheless, the research will be directed in keep neither “Schenkerian ideology", nor any other at all. Our main purpose is to review and raise new capabilities. For that purpose we will approach the ornamentation through Schenker´s writings, his major followers, and C.P.E. Bach‟s treatise. That study undoubtedly will be valuable to analysts, performers and composers - especially the last one that do use post-modern analytical tools as compositional resources.

CategoriaUFPR
Ano
Por
IdiomaPortuguês
Link
TipoDissertação de Mestrado
CódigoUFPR2012D12
Notificar ao Amplificar um problema sobre este texto (UFPR2012D12)