O Quarteto de Cordas no 8 (1944) de Villa-Lobos: neoclassicismo e invenção
Artigo em periódico, Orfeu, 2017

O Quarteto de Cordas no 8 (1944) de Villa-Lobos: neoclassicismo e invenção

Por: Paulo de Tarso Salles
Palavras-chave: Quarteto de cordas, Neoclassicismo, Análise formal, Simetria, Villa-Lobos

A estrutura formal dos quatro movimentos do Quarteto de Cordas nº 8 (1944) de Heitor Villa-Lobos revela sua preocupação com o reaproveitamento das formas clássicas (forma-sonata, andante, minueto/scherzo e rondó-sonata) em função da linguagem harmônica pós-tonal desenvolvida pelo compositor ao longo dos anos 1920. Este estudo investiga a correlação entre harmonia e forma interpretando as analogias aparentemente feitas por Villa-Lobos para emular os pontos de articulação formal no classicismo. O emprego de estruturas peculiares de acordes, com recorrênciade simetria intervalar ao invés da tonalidade tradicional, levou à aplicação de ferramentas derivadas da teoria dos conjuntos, maisadequada a esta abordagem.

Villa-Lobos’s Eighth String Quartet (1944): neoclassicism and invention

The formal structure in the four movements of Villa-Lobos’s Eighth String Quartet (1944) reveals his concern to reinterpret classical form (sonata form, andante, minuet/scherzo, and sonata rondo) according to the post-tonal harmony he developed during the 1920s. This study investigates the correlations between harmony and form, interpreting some analogies apparently made by Villa-Lobos to emulate points of formal articulation as seen in classical music. The employment of some peculiar chord structure, with recurrence of interval symmetry instead of the traditional tonality, indicated that an analytical approach based on set theory would be more adequate to this analysis.

CategoriaOrfeu
Ano
Por
IdiomaPortuguês
Link
TipoArtigo em periódico
CódigoORFEU2017V2N1A3
Notificar ao Amplificar que este texto não está disponível (ORFEU2017V2N1A3)